RSSFacebookTwitterYouTube

Entrevista com André Kassu

Começou na Artplan e hoje é diretor de criação da AlmapBBDO. Entre lá e cá foi o redator mais premiado no festival de Cannes 2010. Criou o Pode Ser?, o Vai Que, faturou um GP e, em meio a tanto trabalho, conseguiu um tempo para participar do blog. Valeu Kassu!

Confira a entrevista e boa aula.


1. Conte um pouco sobre seu início na profissão. Você começou no Rio e se mudou para São Paulo, certo?
Eu comecei na Artplan do Rio de Janeiro. E dei muita sorte nesse início. Porque o meu dupla de estágio era o Guilherme Jahara, hoje diretor de criação da DM9. O Chiquinho Luchinni era um dos redatores e praticamente adotou a gente. Na Artplan, trabalhei sob o comando do Toninho Lima, depois do Marcos Apóstolo e do Chico Abreia. Foram 6 anos de agência. Em um determinado tempo, eu comecei a rodar a pasta em São Paulo. Coloquei na cabeça que queria mudar de mercado. Mostrei a pasta para o Ricardo Freire, Marcelo Aragão, Wilson Mateos. E fui criando por meio do olhar de quem via a pasta, de pessoas que eu admirava, um outro filtro das peças. Até que surgiu o convite para a equipe da F/Nazca S&S do Rio. Para atender exclusivamente a Telemar. Ao lado da Elisa Guimarães. O convite veio pelo próprio Fabio Fernandes, que conheceu o meu trabalho pelo Victor Sant’anna e pelo Wilson. Fiquei 1 ano praticamente com a Telemar e fui transferido para São Paulo. Foram 8 anos de F/Nazca. Um aprendizado que mudou toda a minha carreira. Devo muito ao Fabio e ao Edu Lima. Era tudo muito intenso. A equipe em um certo momento era composta de 3 duplas. Uma doideira. Edu Martins, Nobre, Victor, Lincoln, Marcão Monteiro. O Marcão virou meu dupla depois de 2 anos. Éramos muito afinados e hoje somos compadres.
A Almap surgiu no meio das minhas férias. O Marcão Medeiros me ligou dizendo que tinha uma vaga para duplar com ele. Voltei de férias e em 1 dia estava de frente com o Marcello Serpa. E claro, quem não gostaria de trabalhar com ele? Era a chance de trabalhar com o Dulcídio e o Luizinho. De me testar em outra agência. De saber se o meu trabalho funcionaria. De aprender muito com o Marcello. Fora que é um lugar onde você olha para o lado e vê todos os nomes do anuário juntos. Hoje, tenho 3 anos e meio de Almap. Aconteceu muita coisa em pouco tempo. Coisas que eu jamais imaginava que ocorreriam. E muito disso veio pelo fato de o Marcão e eu termos criado afinidade muito rápido. Sou caótico, ele, organizado. E funciona. Fora que é um amigo para a vida toda.

2. Em 2010, você publicou um texto no CCSP chamado O título sumiu. Ainda acredita que os títulos andam esquecidos?
Acho. E, pior, acho que boa parte da nova geração não escreve bem. E aí, não estou falando só de título. Falo de diálogos de filmes, do ato de roteirizar, de texto cabine, spots de rádio, de conceituar. A ferramenta básica de um redator é a escrita. Eu, simplesmente, não acredito em redatores que têm dificuldades com texto. Na minha defesa ao título não está uma atitude contra as novas tecnologias, nem nada. Só não acho que ele tem que ser extinto sumariamente. Grandes títulos continuam sendo grande propaganda.

3. O que muda do André Kassu redator para o diretor de criação?
Eu vou criar menos. Isso já deu para perceber em 2 semanas. É inevitável. Mas o que me norteou como forma de trabalhar não muda. Acredito em persistência, em tentar de vários jeitos, em zero estrelismo, em respeitar as pessoas a sua volta. Se eu tinha esse cuidado como redator, vou redobrar como diretor de criação. Hoje é o que consigo responder sobre uma função que estou aprendendo.

4. O que realmente importa na hora de avaliar a pasta de um candidato a estágio?
Boas ideias. A única coisa que não mudou na história da propaganda até hoje foi isso. Somente grandes ideias sobrevivem ao tempo. Já tivemos o tempo do Photoshop. Hoje a gente olha e acha uma bobagem. O que sobrevive e não envelhece? Grandes conceitos. Só um cuidado que eu acho que a pasta tem que ter: equilíbrio e mais tiros longos do que isolados. Prefiro ver uma pasta com 5 campanhas de 4 anúncios do que 20 peças isoladas. Não dá para ter uma pasta só de ações, nem só de títulos. E acho estranho redator com pasta inteira visual, também. Sempre volto para uma tecla básica: redator tem que saber escrever.

5. Qual seria a sua dica para um estagiário criar um bom título?
Muita coisa boa de título já foi criada. Acho que o primeiro passo é tentar novas formulações. Muitas vezes, você chega em uma ideia de título e não perde tempo suficiente testando como funciona melhor. Eu tendo a achar que o título, quando falado em voz alta, tem que soar natural. Como um comentário possível.
Eu já trabalhei e trabalho ao lado de grandes tituleiros. E uma coisa posso dizer que eles têm em comum: fazem muito, testam diferentes formas e leem bastante.
A verdade é que um bom título é simples. E, por isso, é tão complicado fazer um.

6. Neil Ferreira, Roberto Pereira e Fábio Fernandes. Quais outros redatores servem de referência para quem está começando?
No meu texto, “O título sumiu” tem uma boa lista de redatores que foram referências pessoais. O que eu acho importante é olhar para diferentes estilos de redação. Desde os mais tradicionais aos que arriscam tudo. Dos mais emocionais aos que destilam ironia. Agora, inegavelmente o Fábio Fernandes e o Edu Lima foram decisivos na minha formação. E, pelo trabalho brilhante e por razões afetivas, estão no topo da minha lista de redação.

7. Após o sucesso da campanha da Billboard, você foi convidado para escrever uma coluna na revista, certo? Vamos ler sobre propaganda ou Rock’n’Roll?
A coluna da Billboard é uma chance de não escrever profissionalmente. O assunto será música, apenas. A primeira coluna foi bem difícil. Não sabia nem como começar. Conversei um pouco com o editor, Pedro Só, que tem um texto que eu adoro, e acertei uma direção. Eu sou muito desorganizado para escrever e ter um compromisso mensal vai me forçar a ser mais metódico. A curiosidade é que o convite para escrever para a Billboard nasceu do anúncio da morte falando sobre a maldição dos 27 anos. O Antonio Camarotti, cliente e amigo Billboard, já vinha falando sobre essa possibilidade. E eu, com receio, fingia que não ouvia. Até que resolvi encarar. Vamos ver no que dá.

8. O filme Byafra fez um enorme sucesso e não passou por pesquisas. Isso prova que uma boa ideia ainda está acima de tudo?
Se o filme do Byafra tivesse passado por uma rodada de pesquisa, ele não sairia vivo. Já escrevi sobre isso uma vez: coloca o programa dos Trapalhões na pesquisa para ver o que sobra. Simpsons, Tom & Jerry, Pica-Pau. Você pode destruir qualquer um desses grandes sucessos em um focus group. Não sou contra a pesquisa como suporte da ideia de uma campanha. Sou contra a pesquisa medrosa. Que tenta prever tudo que pode dar errado. Dessas pesquisas, costumam sair ideias que não são nem tão ruins, nem tão boas. São moderadas, apenas. Não é à toa que o cara que fica dentro da sala de pesquisa é um moderador.
Nesse ponto, Byafra é um sucesso pela coragem do cliente Bradesco Seguros. Pela ousadia. Por confiar que valia o risco. E hoje, precisamos de clientes assim tanto ou quanto grandes ideias.

9. Se você estivesse começando na profissão hoje, o que perguntaria para o André Kassu, diretor de criação da AlmapBBDO, e qual seria sua resposta?
Que conselhos você daria para alguém que está começando? Sentar e fazer. Ainda não inventaram maneira melhor de mostrar que você tem um bom trabalho do que fazendo um bom trabalho.

kassupb
André Kassu
Diretor de criação da AlmapBBDO


Publicado: 21 setembro 2011
Compartilhe:
 
 

Comentários via Facebook

10 Comentários via blog

  1. Tiago Moraes
    21. setembro 2011 um 21:17

    Pessoal! Mais uma dica. Vale a pena pesquisar os trabalhos dele no CCSP. Abs.

  2. Alex de Miranda
    22. setembro 2011 um 01:17

    Esse cara é amazing! Espero conhecê-lo em breve e trabalhar com ele. Tento seguir os conselhos dele a risca. Sucesso na nova jornada como DC Kassu, aposto que sua direção vai ser decisiva pra galera encontrar grandes idéias.

  3. Alex Villena
    23. setembro 2011 um 08:00

    Uma verdadeira aula, e fica a dica aí a resposta da 4: ”Prefiro ver uma pasta com 5 campanhas de 4 anúncios do que 20 peças isoladas.”. Parabéns, Tiago!

  4. Giu Fernandes
    23. setembro 2011 um 11:33

    André é diferenciado. Acredito eu que acompanho a carreira dele por ele nunca ter deixado o ego dele entrar da agência pra dentro.

    Hoje em dia, tem gente que mal começou a carreira que se julga melhor que muitos que fizeram história.

    Lembro de uma entrevista do Kassu, dizendo que ele conheceu o Serpa surfando, essa entrevista foi ótima, mas Tiago, mas essa de hoje merece aplausos de pé.

    A próxima poderia ser com André Pedroso ou Rynaldo Gondim.

  5. Tiago Moraes
    23. setembro 2011 um 14:39

    “Grandes títulos continuam sendo grande propaganda.” Bem legal ler isso! Valeu pelos comentários pessoal. Kassu é muito gente boa!

    Pedroso ou Rynaldo… boa dica, Giu!

  6. Ingrid Helena
    27. setembro 2011 um 11:34

    Confesso que achava que minha, digamos, predisposição para a escrita fosse apenas uma coincidência(embora eu não acredite muito nisso!) mas quanto mais eu leio o blog mais me apaixono por redação publicitária.São títulos, textos e conceitos fantásticos…
    O site é muito bom!O André é foda!Tiago, tá de parabéns!
    Uso o blog frequentemente como material de estudo para a faculdade…rs

  7. Bruno Marson
    27. setembro 2011 um 11:48

    Tive a oportunidade de participar de um workshop meidado pela dupla Marcos Medeiros e Andre Kassu, Hoje, diretores de criação.
    Pessoas Fantasticas, criativas e o melhor, sem estrelismo.
    Uma enxurrada de conhecimento que não tem preço, muitas dicas importantes.
    Otima entrevita Kassu, Admiro muito seu trabalho.

    Forte Abraço

  8. Gabi Gomes
    28. setembro 2011 um 07:46

    Genial!

    Como publicitária e redatora, Kassu é uma das minhas principais referências e inspirações na área. Tanto que iniciei o @baitatitulo com o texto dele citado na entrevista: “O título sumiu”. Quem não leu, LEIA!

    Parabéns, Tiago!

  9. Roberto
    2. outubro 2011 um 14:45

    Kassu, deixa eu sentar do seu lado e aprender: http://www.robertostahelin.blogspot.com

  10. Arimatéia Quinto
    28. fevereiro 2012 um 17:16

    Adorei a entrevista, acho importante a nova geração conhecer a história da galera que fez e faz a Publicidade Brasileira.

Comentar via blog

Security Code:

podcast do putasacada
calcule o tempo de leitura
contador de caracteres