RSSFacebookTwitterYouTube

Arquivo por categoria ‘Opinião | Dicas‘

 
 

Add girls in ad | CUCA

addgirlsinad

A Escola Cuca quer inspirar uma geração de jovens criativas. Porque um mercado com igualdade de gênero é um mercado com diversidade de ideia. Participe desse movimento.

Acesse o site e confira o projeto: http://www.addgirlsinad.com/

#addgirlsinad

O som dos anúncios

O som dos anúncios é um projeto da produtora Chiclete Art Sounds. A ideia é bem bacana. O pessoal transformou grandes clássicos da mídia impressa em spots. Confira! E mande aquele print que você quer ouvir, quem sabe eles não produzem uma versão especial.

http://osomdosanuncios.tumblr.com

Até agora já rolou Itaú Seguros, Semp Toshiba, TAM, entre outros.

Ruy Archive

Projeto muito bacana do redator Pedro Alberto.
O Ruy Archive apresenta um seleção extensa com trabalhos do Ruy Lindenberg.

Confira: ruyarchive.com

O Ruy também já entrou na categoria redatores do blog.

Vida longa aos clássicos da redação publicitária.

folhasp-ruy-anuncio-alltype

Calcule o tempo de leitura do texto

Pra quem sempre fica na dúvida se o roteiro cabe ou não em 30″.

ad-tempo-page

Frase | Neil Ferreira

frases-neil-ferreira

“A arte de escrever é o ofício de reescrever”
Neil Ferreira

REDAÇÃO PARA AS MULTIDÕES

Texto de Ricardo Labuto Gondim.

Fui professor de redação publicitária por mais de três anos na UniverCidade do Rio. As turmas tinham 30 alunos, mas somente a primeira aula era coletiva. As outras eram individuais. Quem chegava primeiro sentava com o Tio Ricardo, mostrava os trabalhos, tomava um esporro e corrigia comigo. Linha por linha. Palavra por palavra. Depois ia pra casa com o Pedido de Trabalho da semana seguinte. Foi assim em todas as semanas. Nunca saí no horário. Nunca fui tão feliz. E nunca ensinei nada aos meus alunos. Não gerei cópias de minha mediocridade. Expliquei algumas verdades essenciais da vida e disse o que NÃO fazer. Aqui vão 15 regras básicas.

1. O leitor é seu inimigo.
2. O redator publicitário não é pago para escrever, é pago para pensar.
3. Diretores dirigem filmes. Redatores dirigem o público.
4. Você não pode ter certeza de que a formulação do texto é boa enquanto não tentar outras quarenta e nove.
5. Linguagem em publicidade é coisa de segundo grau. Se você apresentar uma redação ruim é porque não trabalhou. Ou precisa voltar ao segundo grau.
6. Ponto de exclamação é para vender alcatra. Não use. Nem para vender alcatra.
7. Se você usar dois pontos de exclamação e eu souber, fuja de casa.
8. Seja implacável.
9. Seja implacável.
10. Seja implacável.
11. Seja implacável.
12. Seja implacável.
13. Seja implacável.
14. Seja implacável.
15. Seja implacável.

O memorando de David Ogilvy

Confira o memorando enviado por Ogilvy aos seus funcionários em 1982.
São 10 dicas para escrever melhor.

“Como escrever”
Quanto melhor você escrever, mais longe irá na Ogilvy & Mather. Pessoas que pensam bem, escrevem bem. Escrever bem não é um dom natural. Você precisa aprender a escrever. Aqui vão 10 dicas:

1. Leia o livro “Writing That Works”, de Kenneth Roman e Joel Raphaelson. Leia três vezes.

2. Escreva do jeito que você fala. Naturalmente.

3. Use palavras curtas, sentenças curtas, parágrafos curtos.

4. Nunca use jargões como “reconceituar” ou “desmassificação”. Eles são marcas de que você não passa de um pretensioso.

5. Nunca escreva mais de duas páginas sobre um mesmo assunto.

6. Confira a grafia.

7. Nunca mande uma carta ou um memorando no mesmo dia que você o escreveu. Leia em voz alta no dia seguinte e então edite.

8. Se é alguma coisa importante, chame um colega para melhorar.

9. Tenha certeza de que a mensagem está clara para o seu leitor.

10. Se você quer ação, não escreva. Vá até a pessoa e diga o que quer.

ogilvy-memorando

Curso on-line com Marcelo Nogueira

marcelo2

O Curso on-line de Redação Publicitária da Escola Cuca foi desenvolvido de maneira simples e dinâmica, em uma plataforma interativa que permite ao aluno comunicar-se em tempo real com o professor tutor e os demais participantes.

Início do curso: 17/11/2014.

Faça já sua matrícula. Clique aqui e saiba mais.

Festival do Clube de Criação de São Paulo

festival_ccsp_01

O festival do Clube de Criação de São Paulo rolou neste último fim de semana, 20 a 22 de setembro. O blog esteve presente na segunda-feira e acompanhou a palestra do Ajaz Ahmed, fundador da AKQA, e do Chuck Porter, co-founder e chairman da Crispin Porter. Confira dois highlights de cada apresentação.

Ajaz Ahmed. Fundador da AKQA.
festival_ccsp_02

“O simples sempre substitui o complicado”
Assim como o twitter ganhou espaço dos blogs.
É mais simples digitar 140 caracteres do que escrever um texto corrido.

“A melhor inspiração é a morte”
Neste momento Ajaz citou Steve Jobs. Quando uma empresa não evolui ela abre espaço para outra. Kodak manteve suas câmeras enquanto o mercado mudava constantemente. O resultado foi o aparecimento do Instagram e tantos outros.

Chuck Porter. Co-Founder & Chairman da Crispin Porter.
festival_ccsp_03

“Ninguém quer conversar com uma pessoa que sempre fala a mesma coisa”
Sobre o quanto é importante criar mensagens e conteúdos novos para as marcas. Não vale a pena usar apenas um filme por muito tempo na TV ou um mesmo anúncio em infinitas publicações.

“Criar algo inesperado”
É para isso que as agências existem. Este conhecimento que as empresas não tem.

Frase | Paul Valéry

“Entre duas palavras, escolha a mais simples.
Entre duas mais simples, escolha a mais curta.”

Paul Valéry

Intensivo de redação com Bruno Godinho

testeira

Vai rolar na Escola Cuca o intensivo de redação com Bruno Godinho, atualmente na Leo Burnett Tailor Made.

O curso acontece na sede da escola em São Paulo, sábado, 24, das 10h às 17h, e domingo, 25, das 10h às 14h. Se você quer escrever cada vez melhor, conhecer novas referências, desenvolver textos para diferentes mídias e descobrir dicas de como trabalhar com o seu dupla, esse intensivo é para você.

PROGRAMA:

PARTE I
- O primeiro passo para escrever bem: escrever.
- Quem lê mais escreve melhor.
- Em propaganda, escrever bem é escrever com simplicidade.
- “Falou pouco, mas falou tudo.” Ou, como ser conciso.
- Texto na mídia impressa: o título.
- Os diferentes tipos de título: inteligentes, bestas, divertidos, tocantes, reflexivos.
- Título + imagem. Faça esse casamento dar certo.
- Texto na mídia impressa: curtos e longos.
- Uma boa ideia não sobrevive sem um bom conceito. E vice-versa.
- Quando o redator brilha sozinho: o anúncio All-Type.
- Texto para a TV: se vire nos 30.
- Rádio: o playground do redator.
- Texto para internet. Truques para fazer o internauta não clicar em “skip”.
- Falta de verba não é desculpa para falta de ideia.
- Prazo apertado: muitas vezes, o segredo para despertar o Mohallen que está dentro de você.
- Como apresentar bem as suas ideias.

PARTE II
- Vamos ver se você entendeu. Ou, toma aí um Job pra agora.
- Critério. Desenvolvendo o seu e se adaptando ao dos outros.
- Cuide bem de quem deixa seus títulos mais lindos. Ou, como conviver bem com o seu dupla.
- Não existe falta de vaga para uma pasta realmente promissora.
- Ego. Como evitar se tornar um imbecil.
- O segredo é se divertir. Sempre.
- Considerações finais.

DIAS E HORARIOS
24/05 – Das 10h às 17h (para da de 1h para almoço)
25/05 – das 10 as 14h. (carga horária de 10h)

SOBRE O BRUNO GODINHO
3 leões de prata e 2 de bronze em Cannes, 1 prata no Art Directors Club de NY, 1 ouro e 1 prata no Anuário do CCSP, 1 lápis de prata e 1 lápis de bronze no One Show.

+ SAIBA MAIS E INSCRIÇÕES

O que é preciso dizer? | Ricardo Chester

Para meu caro colega criativo recém-chegado ao mundo da propaganda ou para aquele que tá chegando.
Existe um atalho muito interessante para facilitar a vida de quem tem que criar e aprovar uma campanha.
O atalho nada mais é que uma resposta a uma pergunta muito simples.
A pergunta é: “o que é preciso dizer?”
A respostas é o trabalho que você tem que apresentar e aprovar.
“O que é preciso dizer?” cole nessa pergunta durante a vida toda. E deixe essa pergunta colar em você, a vida toda.
Eu cheguei a colar essa pergunta literalmente na tela do meu computador. Pegava os jobs, estraía a tal respostas, imprimia, recortava e colava no canto da tela.
A cada título ou roteiro que escrevia, lia “o que é preciso dizer”.
Se o trabalho estivesse alinhado com aquilo, o trabalho era apresentável ao meu chefe.
Se não, não.
Fiz isso durante anos.
Quer dizer, faço isso há décadas, desde que ouvi atentamente a dica de um dos meu primeiros grandes diretores de criação, o Tião Teixeira, ainda na década de 90, quando trabalhávamos para a Prefeitura de São Paulo.
Tião, com seu pragmatismo encantador, me dizia: “Chester, isso aqui parece criativo mas é um lixo. Simplesmente porque não diz o que é preciso dizer. O dia que você entender o que é preciso dizer, você será um publicitário. Até lá, apenas um garoto impertinente. Só isso”.
Evidentemente, eu era um garoto impertinente na época em que ouvia isso.
Saia com o ouvido duro, claro, mas aos poucos Tião Teixeira ia chegando onde queria: fazer sua equipe de garotos entender que o importante era dizer o que era preciso ser dito nos trabalhos.
Ok.
Todos nós recebemos briefings todos os dias.
Se nnao estiver claro ali o que “é preciso dizer”, devolva. Debata. Discuta. Chame o atendimento, o planejamento, o garçom da agência, faça os diabos. Mas não comece um job sem entender claramente e de maneira pactuada com os outros departamentos envolvidos na campanha “o que é preciso dizer”.
Arranque a tal frase que você deve colar no canto da sua tela.
Isso vai facilitar muito sua vida.
Na hora de criar, na hora de apresentar o trabalho, seja para seus chefes, seja para o seu cliente. “O que é preciso dizer”.
Quem já trabalhou comigo sabe que antes mesmo da galera me mostrar trabalhos eu abro a conversa pedindo que a equipe me explique “o que é preciso dizer”.
Várias vezes alguns de meus jovens colegas criativos engasgavam logo na saída.
Ou seja, não conseguiam sequer explicar o que tinham que dizer naquele trabalho.
Então eu nem via o trabalho.
Pedia que o time voltasse para a mesa, debatesse um pouco mais sobre o que era preciso dizer e depois sim voltasse com suas sugestões.
Isso rendeu muita cara feia.
Mas eu não me importava. Porque o importante era “o que era preciso dizer”. Faça o teste no seu próprio trabalho.
Deixe uma frasezinha embaixo do seu teclado.
A cada título, ideia ou roteiro, volte nela e dê uma lida.
Aos poucos isso vai entrando pro seu modo automático e sua vida fica mais imples, porque os jobs começa a sair com mais fluidez.
“O que é preciso dizer” também ajuda muito na hora de apresentar uma campanha no cliente.
Várias vezes também usei o seguinte método: pedia ao atendimento que imprimisse bem grande os principais pontos do briefing. Bem grande mesmo. O suficiente pra que esta folha ficasse em pé num cavalete.
Abria a reunião relembrando os pontos do briefing. Mas fazia questão de deixar o cavalete lá, exposto, durante toda a apresentação.
E pedia aos clientes: por favor, a cada ideia que contar aqui contestem com o que vocês lêem aqui nesse cavalete. Porque se a ideia não for coerente com isso aqui, independente de ser boa ou não, a ideia não serve.
Isso funciona muito.
Pode testar que funciona.
Por hoje, era isso que eu precisava dizer.

Ricardo Chester


Texto publicado por Ricardo Chester em seu perfil no LinkedIn. O PutaSacada precisou transcrever o texto para conseguir publicar no blog, por isso, se houver algum erro de digitação, pedimos desculpas.

+ Leia a entrevista que o blog fez com o Ricardo Chester.

4 novos livros na biblioteca do PutaSacada

Criação na
propaganda impressa

Criação na Propaganda Impressa é resultado de um estudo que buscou responder a algumas das questões mais frequentes de alunos que se preparam para a profissão e mesmo de profissionais que querem entender os aspectos teóricos aplicados na propaganda.

Autor: João Vicente Cegato

A Propaganda brasileira depois
de Washington Olivetto

Minucioso estudo das campanhas de Olivetto, analisando desde os verbos e adjetivos empregados com mais frequência nos anúncios e filmes. Esta obra também explora de forma pioneira como as histórias do ‘primeiro sutiã’, do ‘garoto Bombril’ e de tantas outras campanhas de sucesso foram criadas.

Autor: João Renha

Propaganda Ilimitada
Informações preciosas aos que já estão ou pretendem ingressar nessa área. Francesc Petit acumulou em mais de 50 anos de apaixonada atividade grandes experiências que ele transmite no livro com riqueza de observações. São cerca de 30 capítulos em que trata dos mais diversos segmentos dessa indústria tão competitiva.

Autor: Francesc Petit

Mídia Impressa: como fazer um
anúncio de jornal e revista

Na hora de criar, assuma o papel do público e pense no que gostaria de ouvir sobre o produto. Quando for pensar no título, use palavras fortes, que emocionem e levem o leitor às compras. Se o veículo for um jornal, não use fontes muito pequenas ou seriadas. Um pequeno livro com grandes dicas.

Autor: Newton Cesar

Clique e confira a biblioteca completa.

Especial The Copy Book

the_copy_book

Você conhece o The Copy Book? Publicado em 95 pelo D&AD. O conteúdo apresenta depoimento de vários redatores sobre como eles escrevem seus anúncios. The Copy Book é considerado a bíblia dos redatores. David Abbott, Dan Wieden e Neil French são alguns nomes presentes no livro.

Começa semana que vem um especial sobre o The Copy Book aqui no PutaSacada. Acompanhe. Vai valer a pena.

Mostre este post para um Diretor de Arte

intensivo-direcao-de-arte-12

Pessoal, sábado que vem vai rolar um intensivo de direção de arte com Felipe Cama na Escola Cuca. É a chance de você ter contato com um puta profissional e com um conteúdo muito bacana (veja abaixo), além de conhecer a escola CUCA. Quem sabe você não faz o curso completo depois.
Felipe Cama passou pelas agências Dentsu (VP de Criação), DM9DDB (DC), MPM Lintas, Euro RSCG e Salles. Veja aqui um trabalho recente dele.

SOBRE O CURSO:

Data: 22 e 23 de março
Horário: sábado das 10h às 17h e domingo das 10h às 14h.
Valor: R$ 720,00 à vista ou R$ 750,00 parcelado em até 4x no cartão de crédito.
Local: Escola Cuca - R. Heitor Penteado, 1420 – subsolo 1 – Vila Madalena

PROGRAMAÇÃO:

Sábado 22/03
• “No início não era o verbo, era a imagem”: como criar visualmente.
• Direção de Arte para print, para web, para TV, para design. A base é uma só.
• O conceito está em tudo.
• Os ingredientes do bolo: tipografia, ilustração, fotografia.
• Criando com pouca verba, criando com muita verba.
• Referências, referências, referências.
• Job (para ontem).
• Como apresentar seu trabalho.

Domingo 23/03
• Apresentando as idéias.
• Avaliando os trabalhos.
• Arte x Direção de Arte.
• O mercado hoje.
• Manual de sobrevivência na selva.

+ INSCRIÇÕES

podcast do putasacada
calcule o tempo de leitura
contador de caracteres