Galeria

Palácio Motel
Yellow Monkey
Print

0
Mind School
Mind School
Print

0
Don Luiz
Heat Creative
Filme

0
FIBERCOM
Bangboo
Print

0
Bayer
MullenLowe
Print

0
Sistema Jornal do Commer...
Intertotal Inovação e Negóc...
Digital

1
FIBERCOM
Bangboo
Print

1
Intertotal Inovação e ...
Intertotal Inovação e Negóc...
Digital

2
BLOG

Starbucks | Iris

O uso de máscara é obrigatório. ;)

starbucks_social_thank_you_mask_2_1080x1080_0188_1

Agência: Iris, United Kingdom

Entrevista com Cássio Guiot

A entrevista da vez é com o ilustre Cássio Guiot, um redator que sempre acompanhou o blog e a gente sempre acompanhou o trabalho dele. Cássio tem passagem pela FCB, REF+, FIELDS360, entre outras agências de São Paulo e Brasília, onde sua carreira começou. Hoje é Diretor de Criação Digital do Grupo Rái.

Boa leitura.


1. Fale um pouco sobre o seu início na profissão. Você começou em Brasília, certo?
Primeiramente, é um prazer falar um pouquinho da minha curta e insignificante trajetória até aqui para o blog. Antes mesmo de ser profissional da área, já era leitor assíduo do Puta Sacada.

Agora, voltando ao assunto, cara, comecei um pouco tarde na profissão. Na real, queria ser cineasta. Sempre adorei cinema. Meu pai locava muitas fitas videocassete e eu sempre o acompanhava nas sessões de filmes.

Entrei pra faculdade de P&P na PUC de Brasília com esse anseio. Lá descobri que dava pra “fazer cinema” de uma outra maneira mais fácil e barata. A partir daí, me interessei bastante pela a área de criação. Tentei ser diretor de arte, porém, não era tão bom. Mas gostava muito de escrever. Na época eu já escrevia muitas letras de música e comecei a ver que levava jeito pra coisa. Fui selecionado para Agência Júnior da faculdade (na época se chamava Matriz) e lá comecei a ter mais contato com esse dia a dia de agência. Fiquei 1 ano por lá e depois comecei a procurar realmente um emprego.

Consegui transitar por pequenas agências, onde tive bastante contato com o Digital, o que me deu uma base bacana pra entender desse universo. Também fiz um freela na Master WPP, a convite do DC na época, Saulo Angelo. Foi bem legal. Depois de lá, tive a honra de trabalhar com o Bruno Santiago na ORB. Uma agência que parecia uma startup, quando nem existia startup direito. Essa agência era totalmente focada em entregas para o digital, e, já naquela época, era conduzida de maneira bem semelhante ao modo de trabalhar de algumas agências consideradas disruptivas atualmente. Isso me rendeu uma bela visão de gerência de tempo e energia nas minhas entregas. Foi uma ótima experiência.

De lá fui pra Bees, uma agência brasiliense, considerada uma das mais criativas do mercado. Aprendi muito com o Amilton Coelho, que era uma redator muito, mas muito talentoso. Acabei saindo da Bess e fui para na Fields360, que era uma agência muito legal e com um histórico de formação de ótimos criativos. Fiquei por lá durante 4 anos e tive a honra de trabalhar com o Lucas Zaiden (atualmente na Rapp NY), que na época tinha acabado de voltar da Havas Moscou com vários leões. Foi lá que tudo mudou.

Quando cheguei, a criação só tinha duas duplas e começamos tratar o trabalho do dia a dia como possibilidades criativas que poderiam ir pra pasta. Os resultados vieram em seguida com prêmios no Cresta Awards, Colunistas Brasília, Colunistas Brasil e no Effie Awards. Depois disso, ficou mais fácil tentar ir pra SP (sonho de qualquer publicitário). Foi quando o Deny Zatariano, DC da REF+ me convidou para vir. Não pensei duas vezes, rs.

2. Como foi a mudança para São Paulo? Muitos profissionais e estudantes do interior e de outros estados gostariam de fazer o mesmo, alguma dica?
Minha mudança pra SP foi uma consequência do trabalho que eu construí em Brasília. Acho que todo mundo que trabalha com Propaganda tem essa vontade, né? SP é teoricamente o principal pólo criativo do país, mas, hoje depois de um tempo aqui, vejo que o mito da dificuldade de trabalhar em SP é muito mais alegórico. Minha dica pra quem pensa em vir é não deixar que a disputa de espaço nas grandes agências intimide. Podem vir com tudo pra se encontrar na profissão. Tem muito lugar bacana pra trabalhar, com muita coisa nova rolando. O importante é começar em algum lugar e ganhar espaço.

3. Recentemente você virou diretor de criação. O que mudou no seu dia a dia, continua criando?
Essa mudança não foi proposital. Pra falar a verdade, eu nunca planejei ser e nunca achei que levava jeito pra coisa. Mas aconteceu. Acho que muito mais pelo meu desejo de que as ideias andassem de mãos dadas com os negócios dos clientes. Basicamente foi isso que mudou no meu dia a dia. Busco não apenas olhar a ideia como um commodity da criação, mas como um aditivo potente para girar os ponteiros dos clientes.

Criar, eu continuo criando junto com o time. Essa é a parte mais divertida. Mas meu trabalho é muito mais voltado para criação de um ambiente saudável, em que o processo criativo aconteça da melhor maneira possível.

4. O que realmente importa na hora de avaliar a pasta de um candidato a estágio?
Tento avaliar a capacidade de transformar assuntos que todos já falaram, em uma nova abordagem. Hoje em dia é muito comum você ver pastas com as mesmas estruturas, estilos de pranchas e modos de pensamento. Por isso que é muito bacana quando você encontra alguém com o talento da originalidade.

5. Como saber se a ideia está pronta o suficiente para ir pra rua?
Acho que a gente nunca sabe quando a ideia tá pronta pra sair. Na verdade, sempre existe aquela sensação que dá pra maturar ou estruturar mais. Colocar uma ideia na rua sempre é um risco. Não dá para prever o quanto ela vai dar muito certo ou não. Prefiro acreditar que dentro de um processo de planejamento e criação bem direcionado, boas ideias estarão sempre prontas para ganhar seu espaço no mundo.

6. Quais são as suas influências mais recentes, o que tem consumido para ajudar no trabalho?
Vai parecer clichê, mas tenho buscado referências fora da propaganda. Acho que as marcas estão cada vez mais abertas para um diálogo com o público. Principalmente no ecossistema digital. Por isso procuro estudar pessoas, verdades e comportamentos. Acho que a propaganda deixou de ser há muito tempo “compre batom”. Hoje está muito mais para “me dá 1 minutinho do seu tempo?”.

7. Se você estivesse começando na profissão hoje o que perguntaria para Cássio Guiot, diretor de criação digital no Grupo Rái, e qual seria sua resposta?
Você é feliz com o que faz?
Eu diria: completamente.

cassioguiot
Cássio Guiot
Diretor de Criação Digital do Grupo Rái

Diário de São Paulo

diario-de-sao-paulo

Redatora: Mariana Carvalho

Live com Zeca Martins

Live especial com o redator, escritor e já conhecido de todos vocês, Zeca Martins, no próximo dia 15, às 19h, sobre o lançamento das novas edições dos livros “PROPAGANDA É ISSO AÍ” e “REDAÇÃO PUBLICITÁRIA - A PRÁTICA NA PRÁTICA.

Bora lá. Fica aqui o nosso convite. O papo será sobre propaganda, como era e como é e, quem sabe?, como será.

Agende aí. O link é https://lnkd.in/d-dC2hN

live-zeca-martins

5àSec | Morya

5asec-maquina-cansada

Diretor de criação: Bruno Cartaxo
Redatora: Gabriela Martinez
Diretor de arte: Ricardo Campelo

Como você foi parar aí?

Como você foi parar aí? é um podcast idealizado pelo redator Caio Turbiani, que também participa dos episódios do Putasacada. Cada programa apresenta um bate papo com publicitários brasileiros espalhados pelo mundo. Alguma vez passou pela sua cabeça trabalhar fora do Brasil? Então escute o podcast para pegar as dicas de quem já carimbou o passaporte.

Primeiro episódio:

Intelig | Espera telefônica

inteliglogo

Confira aqui outras peças da categoria rádio.

Ano: 2000

Vespa | Ed McCabe

Maybe your second car shouldn’t be a car.
Talvez o seu segundo carro não devesse ser um carro.

vespa-copy-second-car-ed-mccabe

Redator: Ed McCabe

Um clássico dos anos 60, recheado com bons argumentos. Hoje, você encontra cópias à venda no Ebay. Criado pelo redator Ed McCabe, fundador da Scali, McCabe, Sloves, agência americana das décadas de 1960 e 1970.

Ed McCabe é o redator mais jovem a entrar para o Hall da Fama do One Club, aos 34 anos, em 1974. Quer saber mais sobre redatores da década de 60 e seus principais trabalhos? Comente, envie um e-mail, mande uma mensagem no Facebook.

Chevrolet Captiva

chevrolet-ampulheta
chevrolet-vida-pessoal

Redator: Gustavo Barcellos

Podcast 005 | Folha em branco, fu@#$!

testeira-podcast005
Neste podcast, Tiago Moraes, Bruno Mattheus, Pedro Paulo Mesquita, Caio Turbiani e a convidada pra lá de especial Patrícia Leme, conversam sobre a boa e velha folha em branco, que com frequência resolve aparecer. Nada de pânico. Escuta aí que o papo tá bem legal. Aproveite e compartilhe com a gente a sua experiência: o que você faz para tirar ela da frente?

Faça o download ou dê o play para ouvir.

DURAÇÃO: 1h08

CITAÇÕES:

Tweet do Marcelo Nogueira
Video da Patrícia Leme no canal da Escola Cuca
Biografia do Steve Jobs
Woody Allen
Rynaldo Gondim
Livro “Retórica”, do filósofo grego Aristóteles
Roteiraria
Dedé Laurentino
John Lewis, loja de departamentos britânica
BBH
Johnnie Walker

Tirinha mencionada por Caio Turbiani:
artistxaudience

Spots e jingles utilizados na edição do programa:
• Espera telefônica (Agência não encontrada)
• Sala (BorghiErh/Lowe)
• Satisfaction (JWT)
• Estrague uma ? (Talent)
• Garçom (Agência não encontrada)
• Treinamento (AlmapBBDO)
• Gritos (AlmapBBDO)

ASSINE O FEED DO PODCAST EM SEU LEITOR OU ITUNES:
http://www.putasacada.com.br/podcast/feed.xml
(iTunes > File > Subscribe to Podcast > insira o link do feed)

CRÍTICAS, DÚVIDAS E SUGESTÕES:
Comente este post ou envie um e-mail para: fale@putasacada.com.br

Ferramentas:

Calcule o tempo de leitura
Titulum Ipsum
Contador de caracteres
Converter texto Aa aA

Acesso rápido:

Entrevistas
Biblioteca
Mural de portfólios
Cursos
Contato

Podcast do PutaSacada

Testes:

Complete o slogan
Quiz redatores
12 anos de Putasacada